sábado, 23 de junho de 2018

Saída de Observação para Maravalha - Cruzeiro do Sul

Buenas amigos

        Seguindo a ideia de sair mensalmente para observar com os amigos do Coa Vales, desta vez seguimos para o interior do município de Cruzeiro do Sul. A localidade desta saída foi a Maravalha, já visitada outras vezes. Os participantes desta saída foram: Astor, Morci, Tiago, Felipe e Cleberton.
         Iniciamos a saída em uma manhã gelada, "má gelaaaada mesmo". A temperatura em Lajeado, se aproximada dos 2ºC. Mas tudo bem, se fosse para trabalhar seria pior, hehehehehe. Mas não arregramos para um friozinho e seguimos.
          Esta saída foi realizada intercalando paradas e trajetos com o carro. Na imagem abaixo pode ser observado os pontos de parada e o trajeto realizado. Nossa intenção foi dar uma conferida nos bichos que estavam aparecendo após a colheita do arroz.
Figura 1: Vista geral do trajeto e da localização das paradas. Adaptado do Google Earth por Cleberton Bianchini.
         Nossa primeira parada foi próximo ao cemitério da localidade. Sabíamos da ocorrência dos Psittacara leucophthalmus (periquitão maracanã) por ali. Logo escutamos um indivíduo vocalizando, ao longe. Nos aproximamos e encontramos o fulano pousado na copa de um eucalipto. Em seguida avistamos alguns bandos sobrevoando as proximidades do cemitério, totalizando 34 indivíduos. Estamos acompanhando esta galera há um tempo e geralmente encontramos eles próximo ao cemitério na época de inverno (geralmente entre os meses de maio e junho). Por ali também havia bandos de Phimosus inphuscatus (tapicurua) "pastando" nos alagadinhos formados pelo acúmulo de água. Avistamos muito indivíduos desta espécie no decorrer da manhã. Ela invadiu a região de uns anos pra cá. 
            
Figura 2: Psittacara leucophthalmus (periquitão maracanã). Fotografia de Astor Gabriel.

Figura 3: Psittacara leucophthalmus (periquitão maracanã). Fotografia de Morci Schmidt.
Figura 4: Aramus guaraúna (carão) tentando se esquentar. Fotografia de Morci Schmidt.


Figura 5: Machetornis rixosa (suiriri cavaleiro) fazendo jus ao nome. Fotografia de Morci Schmidt.
Figura 6: Plegadis chihi (caraúna). Fotografia de Astor Gabriel.
           Seguimos o baile realizando uma caminhada do ponto 1 até o ponto 2, parando por algum tempo em um banhado. Neste banhado encontramos Laterallus melanophaius (sanã parda), Phacellodomus ferrugineigula (joão botina do brejo), Schoeniophylax phryganophilus (bichoita) e outros mais. Continuamos a observação seguindo a pé até o ponto 3. Neste ponto, paramos a margens de um grande açude na entrada da Cabanha Maufer. Este açude sempre aparecem algumas espécies relacionadas a água. Por lá encontramos Amazonetta brasiliensis (ananaí) e mais indivíduos de Phimosus infuscatus (tapicuru).
              
Figura 7: Família de ratão do banhado esperando o sol a beira de um açude. Fotografia de Astor Gabriel.
Figura 8: Euphonia chlorotica (fim fim) se alimentando. Fotografia de Astor Gabriel.

Figura 9: Syrigma sibilatrix (maria faceira) dando o ar da graça. Fotografia de Astor Gabriel.
           Ali por perto ainda avistamos uma Gallinago paraguaiae (narceja) que alçou voo e pousou logo adiante, se escondendo rapidamente. Também avistamos a Ardea alba (garça branca) e diversos indivíduos de Jacana jacana (jaçanãs). O trajeto do ponto 3 até o ponto 4 fizemos de carro. O ponto 4 fica às margens do Arroio Castelhano. Nesta porção há boa área com vegetação de galeria às margens do Arroio Castelhano. Por ali encontramos diversas espécies mais florestais como o Veniliornis spilogaster (picapauzinho verde carijó), Chiroxiphia caudata (tangará), Trogon surucura (surucuá variado) entre outras.
           A partir do ponto 4, seguimos o trajeto de carro. Realizamos uma grande volta pois queríamos circular as lavouras com restevas de arroz. No caminho encontramos diversas espécies, sendo que o destaque foram para os enormes bandos de Zenaida auriculata (avoante) aproveitando a resteva do arroz. No caminho encontramos também, indivíduos de Tigrisoma lineatum (socó boi), sendo dois indivíduos adultos e um jovem. Isso foi um tanto curioso, pois não tínhamos encontrado tantos indivíduos desta espécies em uma única manhã. 
Figura 10: Himantopus melanurus (pernilongo de costas brancas). Fotografia de Astor Gabriel.
Figura 11: Tigrisoma lineatum (socó boi) indivíduo jovem bem camuflado, avistamos ele por acaso. Fotografia de Morci Schmidt.

Figura 12: Pardirallus nigricans (saracura sanã). Fotografia de Morci Schmidt.

         A manhã foi muito proveitosa, apesar de todo o frio que fazia. A poção mais ao sul do município sempre reserva boas oportunidades de observação pela diversidade de ambientes que apresenta. A lista completa de espécies pode ser conferida aqui.

Obrigado pela companhia amigos

abraço a todos e até a próxima







sábado, 26 de maio de 2018

Saída a campo para Piquiri - Encruzilhada do Sul

Vista da localidade de Arroio Piquiri                                                 Foto Cleberton Bianchini
   
     Nesse mês de abril pegamos a estrada mais uma vez atrás dos seres alados, e desta vez escolhemos  a localidade de Arroio Piquiri no município de Encruzilhada do Sul para um dia intenso de observação de aves e aquele necessário contato com a natureza e depois de tentativas frustradas no passado, desta vez  tudo deu certo e com um belo sábado de sol seguimos Piquiri adentro.
     Norteados com o suposto avistamento do raríssimo Cardeal Amarelo, por moradores locais, e com a esperança de poder avista-lo, o grupo seguiu bem animado, já que o ambiente  é bem parecido com o local da ocorrência da espécie P.E. do Espinilho e que não muito longe dali haviam redescoberto a espécie a poucos anos atrás.
   
Os participantes da saída esquerda para direita: Alexandre, Morci, Astor, os anfitriôes João e Rodrigo, Michel e Cleberton    Foto Rodrigo Azambuja
 
     Rumamos então a fazenda do possível avistamento do Cardeal, antes já observávamos algumas espécies interessantes como o Bico-Duro e a Saracura-Três-Potes. Chegamos no local e haviam bandos enormes de Tiribas ( Encruzilhada é a Meca da espécie) e Caturritas em um eucalipto, qualquer coisa mais amarelada que se observava já se passava um filme na cabeça, mas já adianto, nem sinal do bicho durante todo o dia. Ali avistamos Guaracava-de-Bico-Curto, Balança-Rabo-de-Máscara, mais Bico-Duro um casal de Arredio-Oliváceo 


Uma pequena fração de um enorme bando                             Foto Alexnadre Picoli


Tiriba-de-Testa-Vermelha                     Foto Alexandre Picoli


Bico-Duro                                                             Foto Alexandre Picoli


Arredio-Oliváceo                           Foto Alexandre Picoli

Guaracava-de-Bico-Curto                                     Foto Alexandre Picoli
     Seguimos adiante entre pastagens e campos de Espinilhos. Uma bela paisagem! Paramos a beira de um córrego e seguimos por sua mata ciliar, onde poucas espécies foram avistadas, entre elas um Veado que se deslocava rapidamente na borda do campo e se embrenhou na mata logo ao nosso lado. Várias Borboletinhas-do-Mato, Trepador-Quiete, Sabiá-Coleira, Saíra-Preciosa foram avistadas ou escutadas. Na saída da mata nos deparamos com um bando de Asas-de-Telha junto a eles havia um único Chupim-Azeviche que vocalizava muito . Permanecemos ali onde lanchamos e depois do descanso, seguimos.

Espinilho                                                   Foto Alexandre Picoli


Sabiá-do-Campo                                                Foto Morci Schmidt

Veado não identificado                         Foto Morci Schmidt

Chupim-Azeviche                                               Foto Alexandre Picoli

Trepador-Quiete                          Foto Alexandre Picoli


Trepadorzinho                  Foto Alexandre Picoli

      Depois de uma outra parada  onde apareceram mais ou menos as mesmas espécies de aves da outra mata, retornamos dali e observando o que aparecia no caminho. Perto de  uma carcaça bovina vários Urubus-de-Cabeça-Preta se juntavam para o almoço. Segundo o anfitrião João, a carcaça era fruto de abigeato ocorrido poucos dias antes, e por isso da importância de ter no grupo sempre alguém que conheça a localidade visitada. O joão e o Rodrigo percorreram o Piquiri um dia antes da saída avisando o pessoal local de nossa futura presença. Vai que.....

Bando de Urubus                                                 Foto Alexandre Picoli

Mariquita                                                      Foto Morci Schmidt


       Mas a frente paramos em uma propriedade abandonada para tentar alguns Beija-Flores já que a florada de algumas árvores chamaram nossa atenção ao longe. Nada de Beija- Flores mas serpentes avistamos duas.


Cobra não identificada.                               Foto Alexandre Picoli
       Adiante paramos na fazenda de um parente do João onde já  foi fotografado o Papagaio-Charão, mas não os encontramos. Antes disso no caminho fotografamos mais alguns bichos interessantes como o Canário-do-Campo.  Dali fomos até um banhado próximo, onde escutamos a Sanã-Parda, mas como já se passava das 16:00 horas resolvemos encerrar  os trabalhos por ali mesmo e nos encaminhar.

Canário-do-Campo                                                 Foto Cleberton Bianchini

Saracuruçu                                Foto Alexandre Picoli

Sabiá-do-Campo                         Foto Alexandre Picoli

Suiriri-Cavaleiro                    Foto Alexandre Picoli

Início da manhã.                                   Foto Rodrigo Azambuja
     Tivemos um sábado  pra lá de proveitoso, conhecemos um local a muito pretendido onde saímos com aquela  ótima sensação de contato com a natureza renovada  e também colocamos em pratica a ciência cidadã, participando com listas de espécies mandadas para o Global Big day e colaborando assim com o evento. As listas você pode conferir aqui (Lista 1 e Lista 2).

                        Abraço até mais!

sábado, 19 de maio de 2018

Saída mensal do COA Vales, distrito de Santo Amaro

Vista do amanhecer de  cima da barragem sob o Rio Jacuí                                Foto Alexandre Picoli

    Aqui um breve relato sobre nossa saída a campo do mês de março, que foi realizada na localidade de Santo Amaro, distrito que pertence ao município de  General Câmara. Com uma passagem rápida pelo local, onde na ocasião participaram da saída os casais Luciane e Rodrigo Mohr, Cleberton e Leila, Tiago Diedrich, eu  e meu irmão André, vindo de Mormaço o novo amigo Jairo Ortiz e também Guilherme Gonzati de Lajeado.
     Depois do encontro dos participantes, fomos até a sede da barragem local onde passaríamos a noite, local também que o Rodrigo prepararia a janta, churrasco é claro. Antes disto alguns integrantes do grupo  saíram pra tentar alguma espécie noturna, mas nada apareceu, apenas a vocalização de uma Suindara que cruzou o local bem no alto. Depois da excelente janta armamos as barracas para o merecido descanso.



Dormitório improvisado             Foto Alexandre Picoli
              Logo depois do amanhecer cruzamos o rio via  barragem com o sol começando a aparecer no horizonte, proporcionando chance para ótimas fotos, nem só de aves vivem os fotógrafos do Coa.


Amanhecer ( Foto 1)  as margens do Rio Jacuí                                Foto Alexandre Picoli

Amanhecer (foto 2) as margens do Rio Jacuí                 Foto Alexandre Picoli
          Já na outra margem, se iniciava os primeiros registros fotográficos  de aves, onde foram percorridos  alguns km entre trilhas e banhados. Não descreverei todas as espécies , apenas as mais relevantes, assim como algumas fotos e a lista, pois pretendo ser o mais breve possível. Espécies relevantes ficaram por conta do Pato-do-Mato, Guaracava-de-Crista-Alaranjada, Caneleiro-Preto, Irré.


Irré                                   Foto Alexandre Picoli

Foto didática, a direita o Tapicuru e a esquerda Caraúna.                            Foto Alexandre Picoli

Mariquita                      Foto Alexandre Picoli

Martim-Pescador-Pequeno                        Foto Alexandre Picoli

Guaracava-de-Crista-Alaranjada   Foto Alexandre Picoli
       
Surucuá-Variado               Foto Rodrigo Mohr

Pato-do-Mato           Foto Rodrigo Mohr

                  Era passado das 10:00 horas da manhã quando resolvemos retornar. Na passagem pela barragem  foi possível presenciar a parte operacional do sistema de eclusa , com a passagem de uma embarcação.
     
Embarcação carregada com areia                               Foto Alexandre Picoli







Vista das eclusas algumas precisando de reparos                        Foto Alexandre Picoli





Estrutura que tivemos que subir e descer para acessar a outra margem         Foto Alexandre Picoli






Cruzando o rio sobre a barragem                                                         Foto Alexandre Picoli
    
      Antes mesmo do meio-dia o pessoal que não ficaria na parte da tarde já pegava o caminho de volta para casa, alguns ficaram para conhecer o balneário local. 
      Foram poucas horas de passarinhada, mas já conseguimos uma boa lista de espécies para região, lista está que você pode conferir aqui.

domingo, 11 de março de 2018

Coa Vales no Parque Estadual do Tainhas.

Bela vista do Rio Tainhas com os campos ao fundo                                          Foto Gabriela Santos




      Dando continuidade aos nossos encontros mensais de observação de aves , e seguindo nossa agenda para 2018, que no mês de fevereiro ficou acertado uma visita ao belo P.E. do Tainhas. Parcialmente inserido nos municípios de São Francisco (20%), Jaquirana (69,8%) e Cambará (9,6%), na região dos campos de cima da serra, com vários tipos de paisagens como campos de altitude e floresta ombrófila mista, em que o Rio Tainhas forma corredeiras e um belo salto logo abaixo do famoso Passo do "S". Paisagens diversas que possibilitam encontrar espécies de aves aquáticas, de campo aberto e florestais.
   




Em pé da esquerda pra direita: Cleberton, Caio, Tafael, Morci, Irene e Astor. Agachados:  Alexandre , Tiago e Viviane.  Foto Gabriela

         Já no caminho antes de chegar ao parque, se iniciava a observação, algumas Seriemas estavam forrageando a beira da rodovia, possibilitando fotos.


   
 Seriema                Foto Morci Schmidt
 


       Seguimos agora em estrada secundária, paramos algumas vezes, e  nessas paradas fomos fotografando o que aparecia como um Gavião Caboclo ( Heterospizias  meridionalis) que passou voando sobre nós com uma desafortunada serpente no bico. 



Gavião-Caboclo                                                                     Foto Alexandre Picoli
     Em outra parada já em território  P.E. do Tainhas  encontramos alguns Caboclinhos-de-Barriga- Preta macho, o que era lifer para o amigo Caio Belleza. 
     Adiante e após a porteira de acesso a sede, mais fotos, mas agora da bela vista que se descortinava  do famoso Passo do "S", também ali encontramos um imponente Gavião-de-Rabo-Branco (Geranoaetus albicaudatus) empoleirado em uma Araucária. Chegamos a sede e nos alojamos e em seguida fomos em direção ao Passo do "S". Como se aproximava do meio dia , não foram observadas muitas espécies. Caminhamos a beira da mata ciliar entre a sede e a cascata, neste trajeto nos deparamos com algumas espécies: Borboletinha-do-mato, Bando de Marreca-Parda, Gavião- Caramujeiro, Curicacas, Socozinho, Pedreiro.




Gavião-Caramujeiro                     Foto Morci Schimidt
     No passo do "S" um João-Porca resolveu aparecer em um ambiente propício para esta espécie. Paramos alguns minutos para contemplar a imponente cachoeira, onde uma bando de João-Pobre com mais ou menos uns cinco indivíduos caçavam com voos  curtos e certeiros, bem no meio das corredeiras



                      Vista da Cascata pelo lado direito após o Passo do "S".                Foto Cleberton Bianchini



Cleberton, Alexandre, Caio, Tafael, Morci, Irene, Astor, Viviane e Tiago                                     Foto Gabriela Santos




                      Vista da Cascata pelo lado esquerdo.                                         Foto Gabriela Santos



            Retornamos a sede para lancharmos e descansar um pouco, após, se juntando a nós Eduardo Chiarani, que nos guiou até um banhado ao sul da sede. Falou um pouco sobre as espécies que estuda no local e espécies que poderíamos ou não encontrar naquele lugar. Não sei se por causa da época do ano, ou pelo fato de estar quente e em um horário onde as aves ficam mais reservadas, ou por ambos os fatores, só sei que elas não colaboraram muito conosco. Poucas espécies foram avistadas entre elas um casal de Noivinha-de-Rabo-Preto, bando de Chopim-do-Brejo, Tico-Tico-Banhado, uma esquiva Sanã-Vermelha deu as caras por alguns segundos, sem chance qualquer para foto, vocalizava bastante o que permitiu a gravação de sua voz. Contornamos o banhado e seguimos em direção a um morro com bastante afloramento rochoso. Em outa ocasião, Chiarani presenciou uma predação no local e nos contou  como foi esta história bem bacana em que só com muito trabalho de campo e sorte se presencia, duas espécies distintas com características marcantes foram observadas por ele. Um Falcão-de-Coleira com sua super visão predava um Bacurau-da-Telha que possui como principal característica a camuflagem, nessa batalha da natureza a visão aguçada do Rapinante prevaleceu sobre o  coitado do Bacurau que sobre as rochas fica quase invisível.....eu disse quase invisível. Já na outra face do morro, encontramos um banhado que em outros dias foram avistadas
a espécie Narcejão, mas nada do danado aparecer, quem deu as caras foi mesmo a prima dele, a Narceja. Dali fomos até um mirante com uma espetacular vista para o Rio Tainhas. Com o sol se pondo e já com aquele friozinho tipico do local  batendo nos retiramos.


Vista parcial do local                                                      Foto Gabriela Santos

Os campos de cima da serra                                                                 Foto Gabriela Santos      

        Já de noite, o jantar ficava por conta do Chef-Bianchini, um excelente e prático carreteiro, enquanto a janta era preparada, aquela conversa bem humorada corria solta. Depois do jantar tentamos algumas espécies noturnas por volta do local, sem muito sucesso.  Até chegamos a escutar uma Buraqueira e uma Corujinha do Mato, mas depois de tomar aquele susto de nosso "mui amigo" Chef-Bianchini, descobrimos que as vozes que escutávamos era ele mesmo reproduzindo em playback atrás de uma das janela. kkkkkkk! Vai ter volta!
      Depois de rir muito nos retiramos, a manhã de domingo prometia. Acordamos cedo, depois do café e com muita neblina, seguimos até as matas abaixo da cachoeira, chegando ao local e com a neblina já diminuindo, algumas espécies que apreciam aquele ambiente vocalizavam: Caneleiro-Preto, Grimpeiro, Grimpeirinho, Pula-Pula-Assobiador, Pica-Pau-Dourado entre outros. Na aflição de observar/fotografar o Tapaculo-Ferreirinho o grupo se separou após alguns atravessarem o rio, outros ficaram a espera, mas não por muito tempo, subimos eu a Gabriela e o Morci a encosta até o campo onde encontramos um extenso banhado, encontramos algumas espécies bem interessantes por ali que até fotos permitiram, o que foi bom, pois  no fim de semana foram poucas de aves. Fotografamos o Caboclinho-de-Barriga-preta e o Arredio-do-Gravatá específicos do ambiente

Nada escapa ao olhar do observador                                             Foto Alexandre Picoli



Arredio-do-Gravatá                               Foto Alexandre Picoli

Caboclinho-de-Barriga-Preta macho                  Foto Alexandre Picoli                 
        Os integrantes que seguiram no encontro do tapaculo ferreirinho (Scytalopus pachecoi) seguiram até outro lado do rio, na base de uma pequena encosta. O fulano cantava respondendo ao playback, enquanto fazíamos umas gravações e seguimos sempre mais perto. Esperamos por cerca de 30 minutos até ele aparecer. Neste primeiro momento, sem chance para fotografia. Enquanto que três pessoas tentavam fotografar um indivíduo, outro começou a vocalizar bem perto estando em uma área mais limpa. Permitiu algumas fotos. Foi uma alegria imensa encontrar esta espécie, mais ainda poder fotografá-la.

Tapaculo fereirinho                  Foto Cleberton Bianchini   

        Nos encontramos mais tarde no Passo do "S", alguns do grupo resolveram atravessar, o que foi uma grande ideia, além de um angulo de vista diferente, pois estávamos sobre o rio, de lambuja ainda observamos algumas Curicacas, Pernilongo-de-Costas-Brancas, João-Pobre, Marreca-Parda e já na outra margem um bando de Sabiá-do-Banhado.




Espécie que aprecia e é facilmente encontrada em cachoeiras. 


Casal de Curicaca se alimentava junto ao Passo do "S"                 Foto Alexandre Picoli

Simpático casal de Marreca-Parda                                                           Foto Alexandre Picoli

Sabiá-do-Banhado adulto                                     Foto Alexandre Picoli

Sabiá-do-Banhado jovem                                              Foto Alexandre Picoli

Outro simpático casal agora de observadores de aves                            Foto Alexandre Picoli

Mais um casal de simpáticos observadores, obrigado pela presença.                                              Foto Gabriela Santos


         Como o grupo tinha se dispersado, alguns como o amigo Caio que veio de Bagé, já pegava o longo caminho de volta, e do mirante da cachoeira de onde estávamos ao longe nos despedíamos. 
E logo após, de volta a sede  pelo meio dia nos preparamos para volta


Valeu Caio pela presença                       Foto Alexandre Picoli
         O P.E. do Tainhas, com suas belas paisagens,  proporciona aos seus visitantes sentimentos incríveis, como o Passo e sua linda cachoeira. Isso nos leva a pensar que enquanto estamos a procura de nossos objetivos, que nesse caso são aves, em certas vezes esse mesmos objetivos ficam em segundo plano. Imagino eu, que isso tudo só nos enriquece pois além de observar aves conhecemos muitos lugares que se não fosse por isso nunca conheceríamos, ainda mais com grandes amigos como nesse caso.
        Ficamos muito felizes em conhecer o P.E. do Tainhas, em virtude de suas paisagens cinematográficas, e também das espécies de aves que encontramos por lá. Isso nos remete a importância de termos Parques e de poder visita-los. Obrigado aos amigos pela companhia e também ao P.E. do Tainhas pela oportunidade de visitação.
        As espécies observadas podem ser conferidas na lista do sábado e na lista do domingo.

Até a próxima amigos.