segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Coa Vales no Primeiro Encontro de Observadores de Aves Ornithos



Nascer do sol  na Baia de Antonina.                                                                                                         Foto Gabriela Santos



Olá observadores!

         Primeiramente quero agradecer ao Astor Gabriel pelo grande convite que me fizeste. OBRIGADO AMIGO!  Convite este, que consistia em conhecer o maior trecho continuo de Mata Alântica preservada de nosso país, localizado próximo a região litorânea do estado do Paraná, mais especificamente região  de Antonina e Morretes, e também participar do Primeiro Encontro de Observadores de Aves Ornithos. Aqui vai um breve relato do espetacular feriado que passamos, eu, a Gabriela, Morci e Astor naquela abençoada região.
        Partimos do Vale do Taquari na quinta-feira, dia 12 de outubro, bem cedo, por volta das 4:30h da manhã. Seguimos em direção norte, pela BR 116, chegando a Serra da Graciosa já no anoitecer e com chuva, com o pouco que se deu pra ver do local, prometia.
        Ao amanhecer e seguindo nosso cronograma de saídas,  que primeiramente seria observar aves estuarinas  no município de Morretes, e como estávamos hospedados em Antonina, nos deslocamos por mais ou menos 15km  de carro .  Chegando ao local,  antes de embarcarmos, a bicharada já dava as caras. Dois jovens indivíduos da espécie Lavadeira Mascarada ( Fluvicola nengeta), estavam sendo alimentados pelos pais. Era o meu primeiro "lifer"! Embarcamos  e seguimos em direção aos Pirizais.  Os primeiros habitantes a serem vistos foram vários jovens Papa Piris ( Tachuris rubrigastra) em vários pontos do rio, mais adiante um casal de Sargento ( Angelasticus thilius) pousou na nossa frente, permitindo fotos. Seguimos adiante e encontramos um único espécime adulto de Papa Piri, que exibiu todas as suas cores e beleza. O bicho é fenomenal! Também foram avistadas outras espécies como o Bate Bico (Phleocryptes melanops), o Amarelinho do Junco ( Pseudocolopteryx flaviventris), o João Pobre ( Serpophaga nigricans), mas a estrela do dia ainda não tinha dado as caras.  Navegávamos em meio a um labirinto de rios,  com o passar do tempo o calor já ia aumentando,  já se aproximava do meio dia, quando o guia especializado em aves de estuário, Thiago Machado,  resolveu dar a última cartada, já no apagar das luzes, graça a persistência do guia, foi localizado um casal de Bicudinho do Brejo ( Formicivora acutirostris), espécie considerada em perigo de extinção. O casalzinho nos permitiu fazer várias imagens, e com o sentimento de dever cumprido, retornamos bem satisfeitos.


Fêmea de Bicudinho-do-Brejo                                                               Foto Alexandre Picoli


Fêmea de Sargento                                                                    Foto Alexandre Picoli

Lavadeira-Mascarada                          Foto Alexandre Picoli

Jovem Papa-Piri                                                                                                                                    Foto Astor Gabriel

Amarelinho-do-Junco         Foto Alexandre Picoli


Vista dos pirizais em primeiro plano a direita e a serra ao fundo.                                                           Foto Gabriela Santos

Astor atento a qualquer movimento                                 Foto Gabriela Santos
       Com a primeira saída riscada do cronograma, e com sucesso, retornamos a Antonina. Depois do almoço, participamos das palestras do dia e mais tarde tiramos um tempo pra conhecer a cidade e as aves que por ali estavam, como  a Garça Azul ( Egretta caerulea), Bentevizinho de Penacho Vermelho ( Myiozetetes similis) e outros.


Garça-Azul                                                                                             Foto Alexandre Picoli

Bentevizinho-de-Penacho-Vermelho                                Foto Alexandre Picoli

Jovem Garça-Azul                               Foto Alexandre Picoli
    





  No segundo dia, o local escolhido pelos organizadores foi a Serra do Mar, cerca de 20km de Antonina, na divisa com São José dos Pinhais. Fomos guiados pelo Cauã  Meneses, especialista em aves de altitude. O ambiente era muito parecido com a região alta do Vale do Taquari, porém com algumas espécies diferentes. De cara a avistamos a Saíra Lagarta ( Tangara desmaresti). Entre algumas vocalizações conhecidas se escutava algo novo, imagens foram poucas. Já ao final da trilha, a viração nos pegou, diminuindo ainda mais as chances de fotos, no entanto alguns registros ainda foram feitos. Então nos encaminhamos de volta a van que nos levou ao local de origem.

Saíra-Lagarta                                                                      Foto Morci Schmidt

Viração violenta                                                                                                                                   Foto Gabriela Santos

Beija-Flor-Rubi                                                                            Foto Alexandre Picoli

Turma que participou da saída                                                                                                           Foto Gabriela Santos

Cuiú-Cuiú                   Foto Alexandre Picoli
   Na parte da tarde participamos de algumas palestras e após resolvemos ir até a região onde fica o balneário da cidade, Ponta da Pita, onde observamos algumas aves que por ali estavam, como o Savacu de Coroa ( Nyctanassa violacea) que era novidade para todos. E o segundo dia assim foi concluído, várias espécies, paisagens e pessoas novas foram conhecidos


Savacu de Coroa                                                                     Foto Alexandre Picoli        

Ponta da Pita                                                                                                                                 Fotógrafo  desconhecido
 

         Com o tempo não colaborando muito, ao amanhecer do terceiro dia nos deslocamos de van ao local da observação, que seguindo o cronograma seria Matas de Baixada. O local escolhido desta vez foi uma vila de colaboradores de uma antiga companhia de eletrificação, fincada no meio da Floresta Ombrófila Densa. Neste local, além de algumas residencias, se localiza a sede da Ornithos e uma pousada. O lugar é espetacular, eu moraria facilmente por lá. Era ave pra tudo que era lado, foi como um sonho. Nem sabia o que focar! Aves desconhecidas aqui e ali, foi uma correria. O Teque-Teque (Todirostrum poliacephalum) pulava de galho em galho, o Gritador  (Siryster sibilator)  cantava no alto de uma árvore, o Benteví Pirata ( Legatus leucophaius) também deu as caras , um bando enorme de Jacuaçú ( Penelope obscura) ficou a metros do pessoal, isso antes de adentrar a trilha.



Teque- Teque                           Foto Alexandre Picoli

Jacuaçú                                                                                Foto Alexandre Picoli

Gritador                                                                                 Foto Astor Gabriel
    

      Nos deslocamos para trilha, fomos guiados pelo João Arthur Scremim. Já de início apareceu o Pula Pula Ribeirinho ( Myiothlypis rivularis), junto com ele infelizmente a chuva. Fico imaginando aquele local em um belo dia de sol. Na trilha, quase tudo que cantava ou aparecia era novidade, espécies como, Borralhara ( Mackenziaena severa), Beija flor Rajado ( Ramphodon naevius), Tico Tico do Mato ( Arremon semitorquatus) sem chance pra fotos, Capitão de Saíra (Attila rufus), Papa Formiga de Grota (Myrmoderus aquamosus), Miudinho ( Myiornis auricularis), uma infinidade de cores, tamanhos e cantos, o que nos deixava boquiabertos. Extasiados, mas um pouco frustrados pela condição de luz por conta do mau tempo. O que nos força a um dia voltar ao local. Com as horas passando rápido, como em todas saídas a campo, se aproximava do meio-dia, e não querendo voltar, nos deslocamos a Antonina. Na memória vou guardar este grande dia pro resto de minha vida, uma verdadeira overdose ornitológica.
Beija-Flor-Rajado                                                 Foto Alexandre Picoli
Pessoal que participou da saída Matas de Baixada                                                                                   Foto Gabriela Santos
 

A hora da ação.                                                  Foto Gabriela Santos

Borralhara                                      Foto Alexandre Picoli

Miudinho                                           Foto Morci Schmidt

Papa-Taoca-do-Sul Fêmea                              Foto Alexandre Picoli
   Já no almoço de domingo, pensava eu nos objetivos da viagem, e como se tratava do último dia, me dei conta que não tinha fotografado Saíras, que pra mim era o grande objetivo. Como tínhamos a tarde livre, resolvemos ir a Morretes, onde pegamos o mesmo caminho que do primeiro dia. Pura sorte!   De carro pela beira do rio Nhundiaquara, nos deparamos com uma cena pra lá de especial, que me fez atingir meu grande ojetivo.  A beira da estrada, um corredor de árvores de médio porte, Marianeira ou Fruta-do-Sabiá ( Acnistus arborescens), Saíras-Militares (Tangara cyanocephala) e Sete-Cores ( Tangara seledon), Tiê-Galo (Lanio cristatus), Viuvinha (Colonia colonus), Garrinchão- de-Bico-Grande ( Cantorchilus longirostris), Gaturamo-verdadeiro ( Euphonia violacea) .....Ufa......Quantas cores! Agora sim, o final de semana estava completo e poderíamos ir embora tranquilos. Apesar do dia cinzento, sempre lembrarei deste local como multicolorido, isso tudo pelas belas aves que ali habitam, não importando o tempo.
Saíra-Sete-Cores                                                                                                                                Foto Alexandre Picoli

Capitão-de-Saíra      Foto Alexandre Picoli

Saíra-Militar                                                                                                                                      Foto Alexandre Picoli

Tiê-Galo                                                                                                                                                 Foto Alexandre Picoli 

Gaturamo-Verdadeiro                           Foto Alexandre Picoli

Garrinção-de-Bico-Grande                   Foto Alexandre Picoli


Viuvinha                                                                                                                                                     Foto Astor Gabriel
       

           Já na segunda -feira,  nos encaminhamos cedo da manhã. Subimos a Graciosa devagar e fotografando. Chuva, chuvisqueiro, neblina e pássaros, muitos pássaros. Chegamos ao final da serra por volta das 10:30h, então retornamos ao Rio Grande via BR 101.

  No topo da Graciosa o sol predominava

Pórtico de entrada da Serra da Graciosa 


        O  feriado foi sensacional, e novamente agradeço ao convite do Astor e da companhia dele e do Morci. 
         Esses quatro dias me fizeram pensar e voltar ao passado, a mais ou menos uns seis anos, onde observávamos eu e a Gabriela aquela minúscula ave no alto de uma figueira, em que, mais tarde, depois de pesquisar, fiquei sabendo seu nome. Era uma Mariquita!  E por consequência o Birdwatching. Bendita Mariquita! Após seis anos, quantos lugares e pessoas fenomenais que conheci, lugares estes como a Serra da Graciosa e dos amigos Astor e Morci. E muitos outros belos lugares e pessoas de bem que certamente estamos por conhecer.
          Que seja o primeiro de muitos encontros de observadores! E aproveitando para parabenizar a iniciativa da Ornithos por organizar este belo evento.
          Fico por aqui! Espero que tenham gostado. ATÉ BREVE!   


Selfie com a galera do Coa Vales 

10 comentários:

  1. Que maravilha de relato Alexandre. Me fez voltar todos os belos momentos que vivemos naqueles dias! Inesquecíveis......Obrigado pela parceria amigos!

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo relato amor ❤️ 📸 🐦 um lugar mágico para os observadores de aves e da natureza, não vejo a hora de retornar, a Serra da Graciosa é o meu lugar preferido, e na companhia de bons amigos, Obrigada Astor e Morci ❤️

    ResponderExcluir
  3. Excelente relato Alexandre e Gabriela! Realmente foi uma viagem sensacional, com saídas proveitosas, palestras interessantes com especialistas da ornitologia paranaense. Luciano Breves trouxe para o Encontro Ornithos ornitólogos como Fernando Straube, Eduardo Carrano, Willian Menq entre outros. Também esteve presente Pedro Scherer Neto um dos mais renomados ornitólogos brasileiros, autor do primeiro livro Aves do Paraná. Também agradeço ao Astor pelo convite e organização da viagem e pela agradável companhia de todos.

    ResponderExcluir
  4. Que legal pessoal !!!
    Ótimo relato Alexandre,muito legal acompanhar como foi esta linda viagem de vcs.
    Grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  5. Sensacional!! Deu muita vontade de estar junto de vocês!!!

    Abração!!
    raphaelkurzbirding.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raphael, o lugar é incrível! Recomendo para todos Observadores. Abraço!

      Excluir